Tráfego Pago para Educação

Fazer anúncios na internet é um dos pilares fundamentais em qualquer planejamento de marketing digital de uma empresa, independente do tamanho, posicionamento de mercado ou objetivo almejado. Sendo assim, o tráfego pago para educação é um ótimo recurso para otimizar os resultados das campanhas e ações de marketing das instituições de ensino.

O que é Tráfego Pago para Educação?

O tráfego pago para educação corresponde à estratégias de realização de anúncios em sites, plataformas e redes sociais, com intuito do internauta clicar em um link.

Diferença entre Tráfego Pago e Mídia Paga

O que difere tráfego pago e mídia paga, embora os conceitos sejam bem similares, é que a mídia paga é toda exposição paga de anúncio na internet. Já o tráfego, acontece quando o visitante toma uma ação de interação com o anúncio, que é representada pelo clique.

Entenda a importância do Ensino Híbrido!

Em qual rede investir?

Onde anunciar?

As redes sociais permitem a realização dos anúncios patrocinados por empresas, o que se torna uma estratégia certeira para atingir seu público alvo. Entretanto, é imprescindível que se conheça quem é este público. Para tal, é preciso identificar quais são suas emoções, anseios, dores, seus interesses e como podemos solucionar.

Recomendamos fazer um estudo de público-alvo e personas para identificar quem é seu público.

Após isso, é preciso montar a estratégia seguindo os padrões de comportamento que foram estabelecidos em sua persona. Onde faz mais sentido anunciar para ela? Dessa forma, é possível definir por qual meio será feita a divulgação.

Facebook, Instagram, Youtube, Tiktok ou LinkedIn?

A escolha da plataforma que será usada para tentar gerar tráfego pago para educação depende do público e objetivo almejado pelo plano de comunicação. Sempre é possível testar e ver qual estratégia dá o melhor retorno. Nesse sentido, mostraremos exemplos que podem ser seguidos nesse processo de escolha.

Facebook

É a maior rede social do mundo, o que permite atingir um público mais extenso. Carrega o estigma de concentrar um público mais adulto, e até faz sentido se comparado ao público do Instagram, que tende a ser mais jovem. É um bom canal para veicular anúncios de captação de alunos e divulgação de eventos, por exemplo.

Instagram

É um canal de grande engajamento nas publicações e concentra um público mais jovem, como falamos acima. Tem um apelo muito visual, o que permite criar anúncios expressivos e promover conteúdos de qualidade. Pode ser usado para campanhas de captação de alunos e reforço de posicionamento de mercado, entre outros.

Youtube

É o segundo maior buscador da internet, ficando atrás somente do Google, e representa uma interessante oportunidade para veicular anúncios em vídeos, explorando a estrutura das instituições do ensino, como por exemplo um vídeo tour, ou veiculando depoimentos de alunos e até uma demonstração de aulas.

TikTok

Virou febre para o público mais jovem, principalmente adolescente. O interessante é que a própria plataforma lançou a campanha #AgoraVocêSabe, incentivando a produção de conteúdos educacionais. A rede é conhecida também pelos vídeos tutoriais, tanto que #AprendaNoTikTok é uma das hashtags mais compartilhadas por lá. Nem precisa dizer que é uma ótima oportunidade para gerar tráfego pago para educação, não é mesmo?

LinkedIn

A rede social para profissionais traz relevantes oportunidades para tráfego pago, principalmente para as instituições de ensino que oferecem cursos de especialização.

Conheça também 4 ferramentas de automação de Marketing que podem otimizar suas ações

Quais as vantagens do Tráfego Pago para Educação?

Tráfego Pago e precisão

Precisão

Diferente das mídias clássicas (Rádio e TV), as estratégias de tráfego pago para educação possibilitam a utilização de uma grande variedade de dados para segmentar e otimizar ações. Por isso é importante entender onde captar e filtrar as informações que são relevantes para a sua instituição de ensino. É através dessas informações que se monta uma estratégia de sucesso para o seu negócio.

Resultados mais rápidos

As ações de tráfego paço para educação possibilitam acompanhar os resultados pouco tempo após a veiculação dos anúncios. Assim fica fácil verificar o desempenho, investimento gasto e pausar anúncios, se for o caso.

Investimento sob medida

Os anúncios patrocinados são possíveis com o investimento de valores acessíveis, permitindo que as instituições de pequeno porte também façam ações de tráfego pago para educação. Diferente das mídias tradicionais, os resultados podem ser alcançados com orçamentos modestos.

É possível também aumentar os valores destinados às campanhas, de acordo com a performance obtida pelos anúncios patrocinados.

Mensurar resultados

Além de permitir uma segmentação mais precisa, as estratégias de tráfego pago permitem acompanhar e mensurar os resultados obtidos  logo após a veiculação dos anúncios, como números de cliques, visitas e outras interações do público.

SEO

Apesar de não ser um tráfego pago, é importante comentar sobre SEO (Search Engine Optimization). Nele, o site de sua instituição disputa com diversos outros links de sites que oferecem cursos da mesma área.

O ranking é feito com o posicionamento do site nas páginas de busca, de acordo com a palavra-chave procurada. O ideal é que as páginas estejam estruturadas corretamente e passem informações que o Google considera relevante para ranquear bem o site.

Caso você queira saber mais sobre, em nosso blog existe um conteúdo que explica tudo sobre SEO, com 7 dicas de implementação para IES.

O ranking da busca orgânica (que é influenciado por técnicas de SEO) não tem ligação alguma com o tráfego pago do Google. A única forma de veicular anúncios no Google é com o  Google Ads.

Pelo Ads conseguimos utilizar segmentações baseadas em  interesses e locais para elevar nossos resultados além do ranking orgânico de SEO.

É possível preparar um público específico, de acordo com os direcionamentos criados através do comportamento da persona. Dessa forma, outras pessoas que têm os interesses correspondentes conseguem encontrar o site nas suas buscas.

Resumindo, primeiro criamos a persona, para definir quem queremos encontrar. Depois definimos o local e, então, o meio de comunicação. Mas e agora?

Confira o post que fizemos sobre CRM para Educação!

Capriche na Sua Segmentação!

Capriche na Sua Segmentação!

Segmentação por Fatores Demográficos

Tanto no Google quanto no Facebook (que também gerencia os anúncios do Instagram) é possível segmentar por idade, sexo, status parental (com filhos, sem filhos) e faixa de renda.

O que mais interessa para a instituição de ensino é atingir pessoas na idade propensa a ingressar em um curso oferecido.

Segmentação por Local

Se sua instituição sabe que mais de 90% de um determinado curso é formado por alunos que moram dentro da cidade, é inteligente explorar possibilidades de segmentações geográficas. Tanto Google, quanto Facebook, oferecem esta funcionalidade.

Públicos Semelhantes

Google e Facebook oferecem uma segmentação que permite buscar pessoas com o mesmo perfil comportamental de uma base pré-existente. Em outras palavras, os serviços de tráfego pago podem identificar pessoas semelhantes com seu público, aumentando a taxa de sucesso dos anúncios.

Interesses

Outra opção de segmentação é por interesse. Por exemplo, para o público de uma graduação em ciências biológicas, podemos segmentar por interesses em documentários de natureza, plantas, animais, ou causas ambientais. Apesar do Google também ter esta funcionalidade, o nível de detalhamento do Facebook é maior.

Pixel: um trunfo para conversão e remarketing

Um grande aliado para geração de tráfego pago é o pixel, um tipo específico de web beacon, que auxilia na precisão dos anúncios veiculados. O pixel é um trecho de código inserido no site que registra quais usuários acessaram a página por intermédio de um anúncio e quais ações foram tomadas por esses visitantes.

Mas para entender como funciona esse processo primeiro precisamos nos familiarizar com o conceito de web beacon e como ele age.

Cookies e Web Beacon

Você provavelmente já se deparou com uma “caixinha de pergunta” pedindo sua autorização de uso de cookies ao acessar um site. Essa solicitação de permissão de uso de cookies está cada vez mais recorrente, devido à preocupação mundial sobre a proteção e autorização de uso de dados pessoais  na web.

Os cookies são informações enviadas pelos sites ao navegador de internet, onde se espera que sejam reenviados a cada nova página acessada. Essa troca de informações é bastante importante, pois permite que preferências do usuário sejam levadas em conta ao acessar determinado endereço virtual. Esse tipo de ação possibilita, por exemplo, que uma sessão continue logada em um site, mesmo que o usuário não esteja navegando naquele momento.

Mas esta troca de informação entre site e navegador também permite que ações do usuário sejam identificadas e rastreadas. O tipo de cookie que permite rastreio de ações é conhecido como web beacon.

Pixel de conversão

Agora que sabemos o contexto de cookies e web beacons, podemos entender como funciona o pixel.

O pixel de conversão avisa quando determinado usuário toma uma ação, como clicar em determinado link ou imagem.

Isso se torna imprescindível quando falamos sobre tráfego pago, porque podemos identificar quem acessou o link disponibilizado e, assim, podemos comunicar outras ações para essa pessoa, evitando quem não se interessou pelo conteúdo do anúncio veiculado. Quando sabemos com quem falamos, aumentam as chances de se obter os resultados esperados.

Além disso, podemos fazer ações de remarketing através das informações coletadas pelo pixel, pois se um cliente se mostrou interessado em um anúncio, clicou, mas não finalizou o processo de compra ou cadastro, podemos concentrar ações para incentivá-lo a retomar o processo de onde parou.

Pixel do Facebook x IOS 14

Uma batalha de gigantes se desenhou em 2020 e ganhou mais força esse ano. Tudo começou quando a Apple anunciou as novidades IOS 14. No novo sistema, todos os aplicativos terão que exibir um prompt pedindo a autorização do usuário para ações de rastreio de informações. Se o usuário negar tal autorização, os aplicativos perderão força sobre o pixel que utilizam, ou seja, não poderão ter acesso ao comportamento daquele usuário.

Isso motivou uma rápida resposta do Facebook, que se mostrou contrário a tal mudança. Para a maior rede social do mundo, a atualização da Apple desencoraja a autorização de compartilhamento de informações pelo usuário, o que impacta diretamente a geração de receita da plataforma.F

O Facebook acredita que o usuário já entende que o serviço ofertado por eles só é gratuito porque eles utilizam as informações de comportamento de seus clientes para veicular anúncios de empresas. Eles também alegam que isso prejudicaria os pequenos negócios, que não poderão mais impactar os clientes desejados de forma segmentada, o que afetaria a eficácia de ações de tráfego pago.

Não sabemos ao certo como essa história irá terminar, mas acreditamos que novas soluções serão criadas para contornar essa barreira imposta pelo IOS 14.

Mensure os Resultados

Mensure os Resultados

As próprias plataformas usadas no tráfego pago para educação disponibilizam todos os dados das campanhas de anúncio, facilitando a análise de métricas para cada objetivo pretendido.

Para ações de tráfego pago para educação com objetivo de captação de alunos, por exemplo, o resultado deve ser mensurado em leads, ou seja, a quantidade de pessoas que chegaram a realizar um cadastro, manifestando interesse em algum curso oferecido. Desta forma, chegaremos a um indicador importante, que é o CPL (Custo de por lead gerado).

Em outro exemplo, caso seja uma campanha de conscientização, podemos definir como métrica de sucesso o número de pessoas atingidas pelas publicações. Por isso é necessário ter bem definido o resultado que se almeja, para então definir as métricas certas.

Anúncios patrocinados fazem parte da construção de uma boa estratégia de marketing educacional para a sua instituição de ensino. É  bom ter em mente que também é possível se aliar às plataformas do Google Ads e de outras redes sociais para montar uma campanha completa.

Você já faz tráfego pago para educação? Mensura os resultados da sua instituição? Veja como a gestão de tráfego pago pode trazer resultados para sua marca.

Compartilhe este conteúdo:

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Oséias Arnaldo
Oséias é o fundador da React, atuando no mercado desde 2011. Graduado em Comunicação Social e autodidata na área de marketing, explora assuntos como inside sales, CRM, SEO, SEM, Social Media, Growth, Startups e outros.
Abrir chat