A importância do Ensino Híbrido

A implementação do ensino híbrido, há tempos apontado como tendência para o setor educacional, ganhou ainda mais força a partir de 2020. Isso se deve muito pela necessidade de buscar soluções seguras para continuar as aulas em meio à pandemia que vivemos.

Muitas instituições se viram obrigadas a recorrer às aulas remotas para manter o calendário sem causar riscos à saúde de seus alunos e colaboradores. Mas transpor a forma de aula presencial para uma plataforma online não é implementar o ensino híbrido. Por esse motivo, é ainda mais necessário entender para aproveitar todos os benefícios tecnológicos existentes e otimizar os processos pedagógicos.

O que é Ensino Híbrido?

Ensino Híbrido

Também conhecido com B-Learning, Blended Learning, Ensino Bimodal ou Semipresencial, o Ensino Híbrido representa a combinação dos modelos presencial e à distância de ensino. A partir desse contexto, ele também apresenta métodos e estratégias para potencializar todos os processos de aprendizagem a partir da aplicação de recursos disponíveis.

Mais que uma simples combinação

Quando falamos em ensino híbrido, é muito comum pensarmos que qualquer transmissão de aula para uma plataforma online, ou aulas que são realizadas em um espaço físico para alunos e transmitida simultaneamente para outros estudantes configuram-se como ensino híbrido. Mas isso não está correto.

Transmitir uma aula em plataforma online é simplesmente uma aula remota, não ensino híbrido. Estudantes tendo a mesma aula simultaneamente em ambiente físico e online também não é. Essa estratégia é conhecida como HOT (Here or There). Essas ações podem compor estratégias de ensino híbrido, mas sozinhas não configuram esse processo.

A definição de ensino híbrido é baseada em três pilares:

  • Aprendizado por meio online, onde o aluno tenha algum controle sobre ritmo, modo, lugar e tempo do estudo;
  • Aprendizado em algum espaço físico (fora da residência do aluno) de forma supervisionada por um professor;
  • Conexão dos processos anteriores em uma experiência de aprendizagem integrada.

Veja também o post que elaboramos em nosso blog sobre Funil de Vendas para o setor educacional!

Mudança de protagonismo

Autonomia do Ensino Híbrido

Um dos principais impactos da aplicação do ensino híbrido é a mudança de protagonismo do processo de aprendizagem. Se antes, toda a dinâmica da aula estava centrada na figura do professor, o qual era incumbido de disseminar o conhecimento ao alunos, no modo híbrido o aluno fica no centro das ações, tornando-se protagonista em seu processo de aprendizado.

Ao professor fica a função de mediar e estimular os processos de aprendizagem. Isso permite que ele identifique os fatores que implicam nas variações de desempenho e aprendizado de cada aluno, o que possibilita uma visão mais individual sobre o aluno e favorece a personalização do ensino.

Vantagens do Ensino Híbrido

O conceito de ensino híbrido é vanguardista, porque antecipa o modo que futuras gerações serão ensinadas. Ou alguém duvida que a incorporação tecnológica nos processos aprendizados será ainda mais estimulada nos próximos anos? O uso de tecnologias, como por exemplo de ferramentas digitais, oferece benefícios que impactam além das estruturas pedagógicas, como pode se ver abaixo.

Personalização

Com a mudança da figura do aluno para o centro do processo de aprendizado, é possível detectar quais estratégias de ensino funcionam para determinado estudante. Os alunos também são motivados a terem maior autonomia no processo de ensino, pois agora podem escolher a forma e o tempo que levarão para absorver o conteúdo e realizar as atividades propostas.

Isso contribui para a personalização do ensino, onde uma instituição de ensino oferece um aprendizado cada vez mais modulado às necessidades do aluno.

Transformação Digital

Assim como o ensino híbrido, a transformação digital também desponta como tendência para o setor do ensino. E é natural que as duas coisas caminhem juntas, já que não existe ensino híbrido sem tecnologias digitais.

É extremamente importante que os colaboradores das instituições sejam estimulados a conhecer e aplicar novas ferramentas digitais, que poderão otimizar os processos de aprendizado. Para tal, é necessário que a estrutura de ensino esteja ao máximo compatível com o meio digital.

Modelos de Ensino Híbrido

Universo do Ensino Híbrido

O ensino híbrido pode ser aplicado de formas distintas, variando a abordagem, metodologias e recursos, mas respeitando sempre os três pilares básicos: atividade online, atividade presencial supervisionada e a conexão entre elas. Conheça quatro modelos de ensino híbrido:

Rotação

O modelo de rotação propõe a definição de diferentes espaços, cada um correspondente à determinada atividade, que compõem um circuito a ser percorrido pelo aluno. Toda a estrutura pode ser adaptada aos objetivos das disciplinas, público trabalhado, função do professor, estrutura física e ferramentas digitais utilizadas. Veja quatro exemplos mais aplicados do modelo de rotação:

Rotação por estações

O espaço é dividido em estações (sendo pelo menos uma online), onde cada uma terá um objetivo de aprendizado, e todos os objetivos serão ligados a um objetivo principal da aula. Cabe ao professor determinar o período de tempo destinado a cada estação, e todos os alunos deverão passar por cada estágio, como se fosse um circuito.

Laboratório Rotacional

A aula acontece com os estudantes divididos em dois grupos em dois espaços diferentes, sendo um necessariamente o laboratório de informática. É bem similar ao modelo por estações, onde os alunos devem alternar entre os dois locais para completar o objetivo principal.

Sala de aula Invertida

Neste modelo a absorção do conteúdo é feito fora do ambiente escolar, onde o aluno tem acesso ao conteúdo das disciplinas por meio online, seja por vídeos, podcasts, artigos, e-books. Nesse cenário, o estudante controla tempo e modo como absorverá essas informações. Já na sala de aula, os estudantes aplicam o conhecimento obtido de forma online para resolver problemas, se deparar com exemplos práticos, utilizando metodologias ativas de aprendizado.

Rotação Individual

Este é o modelo mais personalizado, onde cada aluno estuda por um cronograma individual. de acordo com suas necessidades. Cada estudante percorre as estações de acordo com um plano específico de estudo, elaborado por um professor ou por uma plataforma online.

Flex

É o modelo que tem o ensino online como norte, onde o estudante aprende em um ambiente físico supervisionado por um professor e possui um plano individual de estudos, que mapeia as disciplinas e atividades que serão desenvolvidas de forma virtual, fora do ambiente escolar.

À La Carte

Neste tipo de ensino híbrido, os estudantes podem realizar um curso ou disciplina on-line dentro ou fora da sala de aula. Neste caso o professor pode indicar cursos complementares aos alunos, com por exemplo um MOOC (Massive Open Online Course), que são cursos oferecidos gratuitamente na internet por instituições de ensino ou empresas.

Virtual Enriquecido

Neste modelo o tempo de aprendizado do aluno é composto por aulas presenciais obrigatórias e horários livres para absorver os conteúdos de forma online. É o que mais ocorre nos modelos semipresenciais oferecidos pela educação à distância no Brasil.

Aplicação do Ensino Híbrido

Aplicação do Ensino Híbrido

Se você é um gestor ou colaborador de uma instituição de ensino e está interessado em aprofundar mais seus conhecimentos sobre o ensino híbrido para aplicá-lo em sua estrutura de trabalho, conheça abaixo as fases determinantes nesse processo de adaptação ao novo modelo de ensino, de acordo com o estudo da Microsoft e a New Pedagogies for Deep Learning.

Interrupção

Esse é o momento inicial, onde a escola apresenta uma disrupção do modo convencional, onde as aulas são aplicadas de forma presencial, e passa a interagir e incorporar ferramentas digitais, iniciando uma forma online de aula.

Nesta fase que se observa os primeiros ruídos e desafios de aplicar uma nova abordagem, e também quando se realiza ajustes para a melhor a adaptação. Esse período é o qual a maioria das instituições de ensino no país vivem nesta pandemia.

Transição

O momento de transição é o que vai ditar a reabertura das instituições e a volta do ensino presencial no pós-pandemia. Nesta fase é avaliada a utilização das ferramentas digitais na concepção das aulas onlines, e também prepara para incorporar ainda mais o ensino híbrido, avaliando as necessidades dos envolvidos (colaboradores e alunos) nesse processo de transformação e adaptando a estrutura aos recursos disponíveis.

Reimaginação

Nesta etapa, a incorporação do ensino híbrido deve ser ampliada, aproveitando todas as ferramentas e métodos disponíveis para fazer o aluno ter condições de aprender sozinho, ou em grupo, em uma sala de aula ou pela internet.

É importante acompanhar o desempenho e assimilação dos alunos, testar novas abordagens, motivá-los a se inteirarem sobre os conteúdos programáticos e provocá-los no ambiente escolar para que discutam e encontrem soluções baseados nos conhecimentos adquiridos.

Recomendações para otimização do Ensino Híbrido

Os desafios de aplicar o ensino híbrido variam para cada instituição de ensino, mas há boas práticas para guiar esse processo de forma mais efetiva. Destacamos cinco recomendações a serem adotadas na aplicação do ensino híbrido.

Atualize métodos pedagógicos

Atualize os métodos pedagógicos para se adequar da melhor forma à aplicação do ensino híbrido, a estrutura da instituição e as condições de acessibilidade digital dos alunos. É importante também que a instituição que determine o plano educacional e direcione as ferramentas digitais que serão utilizadas, essas responsabilidades não podem ficar à cargo dos professores.

Capacite o corpo docente

Importante ter uma equipe de colaboradores capacitada e alinhada com as propostas educacionais utilizadas. A figura do professor é extremamente importante para mediar, acompanhar e provocar o aprendizado dos estudantes.

Foque na experiência do aluno

Propicie condições e orientações para contribuir com a autonomia do aluno no processo de aprendizado e incentive o entendimento de que o conhecimento pode ser adquirido além do espaço físico da instituição. Lembre-se que no ensino híbrido o estudante é o protagonista.

Explore o aprendizado por projetos

O ensino híbrido é o modelo ideal para desenvolver a aprendizagem baseada em projeto. Ofereça desafios a serem resolvidos em grupos, incentive o trabalho integrado, a comunicação entre os estudantes e monitore o desempenho de cada um para direcionar soluções de forma personalizada.

Incentive a autoavaliação

A autoavaliação pode ser um grande potencializador do processo de aprendizagem, e caminha ao lado da autonomia incentivada aos alunos. Nesse sentido, os estudantes conseguem identificar as principais dificuldades e solicitar ajuda ao professor para saná-las.

Se interessou pelo ensino híbrido? Acha que ele pode fazer a diferença para captar mais clientes para sua instituição? Deixe sua opinião nos comentários!

Compartilhe este conteúdo:

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Agência React
Abrir chat